Parque Tecnológico da UFRJ – Resultados e benefícios para a sociedade

Parque Tecnológico da UFRJ – Resultados e benefícios para a sociedade

27/05/2015

Empresas e a universidade

As empresas residentes no Parque Tecnológico da UFRJ firmaram, até então, 315 contratos com laboratórios, unidades e docentes da universidade. Foram despendidos R$ 120 milhões, por parte das empresas, nestas parcerias com a UFRJ.

Alta qualificação

Desde sua inauguração, o Parque gerou mais de 2 mil empregos diretos, com mão de obra altamente qualificada. Em média, deste total, 30% é formado por mestres e/ou doutores.

Investimento qualificado

As 11 grandes empresas instaladas no Parque investiram mais de R$ 900 milhões na construção, criação e operação de seus centros de pesquisa e desenvolvimento.

Patentes

Em média, anualmente, as empresas de médio e grande portes instaladas no Parque geram dois novos pedidos de patentes – resultado de comprovada ação inovadora desenvolvida.

Referência

Desde sua inauguração, o Parque Tecnológico da UFRJ já recebeu mais de 500 visitas nacionais e internacionais. A procura – por parte de representantes de outras instituições de ensino, governos municipais, estaduais e federais, chefes de estado, missões internacionais, consulados e embaixadas, além de diversos atores do ambiente brasileiro e internacional de inovação – reflete a relevância do Parque em sua área de atuação.

Empreendedorismo que gera resultados

A Incubadora de Empresas da COPPE UFRJ, parte integrante do Parque, completou 20 anos em 2014 e a marca de 85 empresas criadas. Atualmente, 29 empresas estão instaladas na Incubadora e, em 2014, as então residentes faturaram, juntas, cerca de R$ 10 milhões.

Inovação gerando benefícios para a sociedade

Em abril de 2015 foi lançada uma iniciativa inovadora para a promoção de soluções aos problemas da cidade do Rio de Janeiro – o Centro de Estudos em Cidades Inteligentes. A ação, liderada pela Coppead UFRJ, conta com parceria da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e da EMC², empresa de big data instalada no Parque Tecnológico da UFRJ. A companhia é responsável pela prestação do serviço de integração dados públicos com vias a criação de soluções, baseadas em tecnologias da informação, para problemas diários, como trânsito e segurança pública.

Inovação que nasceu no Parque

A multinacional FMC Technologies produziu um sistema pioneiro: o Separador Submarino Água-Óleo (SSAO), em operação no campo de Marlim Sul (um dos maiores produtores de petróleo do Brasil). O equipamento – único no mundo em operação – saiu do Centro de Tecnologia da FMC, inaugurado em outubro de 2011, no Parque Tecnológico. O sistema permite a separação do óleo da água e da areia que vêm misturados durante a extração.

A empresa Ambidados, companhia de médio porte instalada no Parque e oriunda da Incubadora de Empresas, desenvolveu a Boia Meteoceanográfica, instrumento utilizado para aquisição de dados em tempo real em qualquer lugar do oceano, coletando os dados relativos à oceanografia com fins a auxiliar o mercado offshore com informações altamente confiáveis. Foi eleita a melhor empresa graduada do país pela Anprotec em 2012.

A Oilfinder, empresa residente da Incubadora de Empresas da Coppe UFRJ, desenvolveu tecnologia pioneira capaz de identificar a localização de sistemas petrolíferos ativos, evidenciando a geração e migração de petróleo. A Oilfinder é a única empresa que entrega a localização de fontes de petróleo no fundo do mar, usando apenas tecnologias remotas, evitando assim, todos os riscos ambientais e operacionais associados a logística de embarcações e equipamentos.

A SeaHorse, empresa residente da Incubadora de Empresas da Coppe UFRJ, criou método inovador capaz de gerar eletricidade por meio da ação das ondas do mar. Essa mesma tecnologia, por operar com grandes pressões, pode também ser empregada para dessalinizar a água do mar e, desta forma, produzir água potável para o consumo humano, industrial e irrigação.

Integrar para inovar

A abertura do centro de pesquisas da GE, em outubro de 2014, marcou o anúncio de planos envolvendo uma parceria com Petrobras e BG Group para construção de uma fábrica de equipamentos subsea, focada em produzir equipamentos de processamento de petróleo no fundo do mar, até 2020. A futura unidade irá se concentrar em tecnologias para tratamento da água no fundo do mar para perfuração em águas profundas (com a BG Group) e para separação de petróleo, água e gás (com a Petrobras). Estas três empresas fazem parte deste ambiente de inovação no campus da UFRJ.